Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
2

GNR detém homem por violação do confinamento obrigatório na Covilhã

Comando Territorial de Castelo Branco explica que a detenção foi realizada na quarta-feira, através do Posto Territorial de Tortosendo.
Lusa 19 de Agosto de 2021 às 17:03
GNR
GNR FOTO: Pedro Brutt Pacheco
A GNR deteve no concelho da Covilhã um homem de 67 anos por violação do confinamento obrigatório a que estava sujeito no âmbito da pandemia de covid-19.

Em nota de imprensa hoje enviada à agência Lusa, o Comando Territorial de Castelo Branco explica que a detenção foi realizada na quarta-feira, através do Posto Territorial de Tortosendo.

"No decorrer de uma ação de patrulhamento para garantir o cumprimento do dever de confinamento obrigatório, os militares da Guarda verificaram que o suspeito se tinha ausentado do domicílio. No decorrer das diligências policiais, o suspeito foi localizado, tendo sido detido", é referido.

A GNR aponta ainda que os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial de Covilhã.

A nota salienta que a violação do confinamento obrigatório constitui crime de desobediência e lembra que ficam em confinamento obrigatório, em estabelecimento de saúde, no respetivo domicílio ou noutro local definido pelas autoridades de saúde, todos os doentes com covid-19, os infetados com SARS-CoV-2 e os cidadãos relativamente a quem a autoridade de saúde ou outros profissionais de saúde tenham determinado vigilância ativa.

A covid-19 provocou pelo menos 4.392.364 mortes em todo o mundo, entre mais de 209,2 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.613 pessoas e foram registados 1.012.125 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

SARS-CoV-2 GNR Covilhã questões sociais crime lei e justiça polícia
Ver comentários