Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

70% da população portuguesa já tem a vacinação completa contra a Covid-19

Ministra da Saúde abre porta a Conselho de Ministros extraordinário para antecipar medidas de alívio.
Marta Quaresma Ferreira(martaferreira@cmjornal.pt) 19 de Agosto de 2021 às 13:21
Esforço de vacinação tem o objetivo de inocular com a imunização jovens dos 12 aos 17 a tempo do início do ano letivo
Esforço de vacinação tem o objetivo de inocular com a imunização jovens dos 12 aos 17 a tempo do início do ano letivo FOTO: Luís Guerreiro / CM

70% da população em Portugal já tem a vacinação completa contra a Covid-19. O anúncio foi feito pela ministra da Saúde, Marta Temido, numa entrevista à SIC.

Segundo Marta Temido, a marca foi atingida esta quarta-feira, 18 de agosto.

"A boa notícia que existe - e que é fruto do esforço dos portugueses - é que já foi possível atingir ontem [quarta-feira], segundo informação da nossa 'task force' que coordena o processo de vacinação contra a covid-19, a administração de duas doses de vacina ou de uma vacina no caso das vacinas de uma dose, ou seja, ter 70% de população residente em Portugal com vacinação completa à data de ontem [quarta-feira]", afirmou.

Marta Temido destacou que o objetivo foi atingido "algumas semanas antes do previsto, como já se indiciava pelo relatório de vacinação semanal da Direção-Geral da Saúde", realçando que estão a ser vacinadas perto de 100 mil pessoas por dia.

"É um resultado muito importante e vale a pena referir que, quando a presidente da Comissão Europeia começou a falar dele em janeiro, encarávamo-lo numa forma longínqua no tempo e quase se chegaríamos ou não lá. O dia de hoje prova que conseguimos atingir este resultado e agora temos de continuar para o próximo passo, que é o objetivo dos 85%", resumiu.

A obrigatoriedade de uso de máscara na via pública quando não é possível cumprir o distanciamento deve manter-se até setembro. Recorde-se que a lei da Assembleia da República que impõe esta medida está em vigor até 12 de setembro, e o primeiro plenário após as férias é apenas no dia 15.

Possibilidade de antecipar medidas 
A possível antecipação de novas medidas "depende de uma apreciação do Conselho de Ministros". Marta Temido revelou que há uma reunião marcada para a próxima quinta-feira. No entanto, a ministra frisou que "uma alteração de circunstâncias deste tipo pode motivar uma reunião extraordinária amanhã (...) para avançar para o conjunto de medidas associadas ao limiar de 70%."

"São coisas distintas. Aquilo que é o compromisso de alívio de medidas associado a esta verificação positiva de resultados tem a ver com regras de lotação e isso depende de uma apreciação do Conselho de Ministros. Uma alteração de circunstâncias deste tipo pode motivar uma reunião extraordinária amanhã (sexta-feira), depois de conhecido o relatório da Direção-Geral da Saúde e do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge; coisa diferente é o tema das máscaras", disse hoje Marta Temido.

"A norma que está em vigor foi emanada da Assembleia da República e compete à Assembleia da República proceder a essa apreciação. Mas vale a pena referir que a utilização de máscaras, como os exemplos de outros países mostram, terá sempre de ser conciliada com as circunstâncias", adiantou.

De acordo com Marta Temido, o caminho definido pelo governo "não é um processo automático", uma vez que "também envolve a apreciação dos indicadores epidemiológicos" e em que o limiar de 70% de vacinação era "condição sem a qual" não se poderia avaliar os outros indicadores: incidência, risco de transmissibilidade e taxa de ocupação hospitalar.

Sem deixar de salientar que "a pandemia não acabou", a ministra da Saúde apontou os 85% da população com a vacinação completa como o "próximo passo" e não descartou nova antecipação de levantamento de medidas associadas a essa meta, caso venha a ser atingida antes de outubro, como foi previsto pelo executivo.

Possibilidade de terceira
A ministra da S
aúde revelou que o País aguarda os resultados de estudos sobre uma possível terceira dose.

"Não há dúvida nenhuma de que nós não conseguimos resolver este problema enquanto todos não estivermos protegidos contra ele", sublinhou Marta Temido, reforçando a importância da vacinação noutros pontos do globo, nomeadamente nos PALOP.

Problemas no Queimódromo
O Infarmed vai revelar brevemente o que deverá acontecer aos utentes que foram vacinados contra a Covid-19 após um problema de refrigeração no Queimódromo no Porto.

"Vamos avaliar mais qual é a condição de estabilidade daquele produto", acrescentou, admitindo que possa haver, "num cenário remoto", uma nova inoculação.



Siga o Correio da Manhã no Instagram:



Covid-19 Portugal Marta Temido vacinação pandemia coronavírus
Ver comentários