Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Detida mulher suspeita de atear fogo florestal em Arganil

Suspeita utilizou um isqueiro para ativar o incêndio, numa zona de vasta área florestal com eucaliptos e que fica perto de habitações.
Lusa 19 de Agosto de 2021 às 17:13
A carregar o vídeo ...
Detida mulher suspeita de atear fogo florestal em Arganil
Uma mulher de 47 anos foi detida pela Polícia Judiciária (PJ) por ser suspeita da autoria de um crime de incêndio florestal ao início da noite de quarta-feira em Arganil, distrito de Coimbra, anunciou hoje esta organização policial.

Em comunicado, a PJ adianta que, através da Diretoria do Centro e com a colaboração dos Bombeiros Voluntários de Arganil, deteve a mulher que "utilizou um isqueiro para ativar o incêndio, numa zona de vasta área florestal com eucaliptos e que fica perto de um núcleo habitacional".

"A atuação da arguida colocou em perigo a integridade física e a vida de pessoas, habitações e uma grande mancha florestal", refere a Judiciária, explicando que "o incêndio, atendendo ao local, com acentuado declive, e à hora em que eclodiu, só não atingiu proporções mais gravosas fruto de uma intervenção rápida e eficaz dos bombeiros".

Fonte da PJ disse à agência Lusa que a mulher, desempregada, e sem antecedentes criminais, "é autora inequívoca deste incêndio, não sendo de afastar a hipótese de a mesma vir a ter responsabilidade na autoria de outros na mesma zona".

"Esta senhora tem um impulso que a levou a praticar os factos de ontem [quarta-feira] e não tem grande explicação para tal", afirmou a mesma fonte, salientando tratar-se de "uma pessoa com uma vida familiar estruturada" que, "por razões que não explicou, tem alguns impulsos que a levaram a entrar na floresta e com um isqueiro e método de chama direta decidiu pegar fogo à mata".

Esta fonte da PJ esclareceu que na quarta-feira houve populares que se aperceberam "ainda na fase de fogueira", tendo chamado os bombeiros que se deslocaram ao local.

"Nessa altura, há registo de populares que se apercebem da figura de um vulto que se afasta do local e, pela descrição feita do vestuário, uma das bombeiras localiza esta senhora que, depois, assume a autoria do incêndio aos elementos da PJ", acrescentou.

A arguida vai ser presente a primeiro interrogatório judicial na sexta-feira.

Polícia Judiciária Arganil PJ Coimbra questões sociais acidentes e desastres incêndios
Ver comentários