Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

Promessa de Governo ao PCP de mexer na legislação deixa Rui Rio furioso

Líder do PSD acusa Costa de navegar à vista para ter maioria.
Luís Oliveira 6 de Junho de 2021 às 09:27
Presidente social-democrata esteve este sábado em Celorico da Beira, após o Conselho Nacional do partido
Reunião do Conselho Nacional
Presidente social-democrata esteve este sábado em Celorico da Beira, após o Conselho Nacional do partido
Reunião do Conselho Nacional
Presidente social-democrata esteve este sábado em Celorico da Beira, após o Conselho Nacional do partido
Reunião do Conselho Nacional
O presidente do PSD, Rui Rio, acusou este sábado o primeiro ministro, António Costa, de “navegar à vista” na sua relação com os partidos de esquerda, para “garantir uma maioria periclitante” com base em “promessas” para ter a aprovação do Orçamento.

A promessa que o Governo fez ao PCP de mexer na legislação é, para Rui Rio, “grave”. “Estamos à beira de receber muito dinheiro da União Europeia e esse dinheiro tem de ser fundamentalmente para as empresas”, referiu. Rio reforçou que “as empresas têm de investir para que possamos ter uma economia melhor e, obviamente, que o sentido da transformação da legislação laboral a que ele se refere é lesivo das intenções de investimento”. Em Celorico da Beira, onde assinalou o Dia Mundial do Ambiente a tomar café num jardim, Rui Rio foi cáustico com António Costa, salientando que a promessa de mexer com a legislação laboral “tem como contrapartida a votação no Orçamento do Estado” por parte do PCP e do BE: “o PS tem uma relação amor-ódio com esse dois partidos, ao mesmo tempo que vai agredindo gratuitamente o PSD para demonstrar a essa mesma esquerda que pode estar tranquila, porque com o PSD não quer rigorosamente nada”. Na apresentação dos candidatos do PSD aos 14 municípios da Guarda, na sexta-feira, o líder social-democrata tinha acusado o Governo de estar a oferecer uma “espécie de noivado” ao PCP. “Como quem diz, ‘tens aqui este anel, se agora me votares o Orçamento’”, frisou.

É “vital” bom resultado autárquico
Rui Rio, presidente do PSD, considera “vital” aumentar o número de eleitos nas eleições autárquicas. O líder social-democrata reconheceu este sábado que o partido atingiu o seu máximo em 2005 e que, desde então, tem vindo a cair: “Caiu um bocadinho em 2009, caiu muito em 2013 e caiu ainda mais em 2017, sobretudo nos centros urbanos”, referiu Rio, salientando que o objetivo agora “é subir de forma significativa”. E se o objetivo não for cumprido? “Se não for cumprido, assumo as minhas responsabilidades”, reagiu. Rio destacou ainda que o Conselho Nacional do PSD, na Guarda, “correu muito bem”.
Ver comentários