Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
3

Dia da democracia

Covid-19 baralhou vidas e rotinas e, muitos meses volvidos, instituiu hábitos que o eleitor não questionará.
Paulo Oliveira Lima 26 de Setembro de 2021 às 00:32
Num passo apressado para a normalidade, o País não estranha as medidas de segurança que tem de cumprir, hoje, no exercício da cidadania.

A Covid-19 baralhou vidas e rotinas e, muitos meses volvidos, instituiu hábitos que o eleitor não questionará. De gel em punho, com a própria caneta e protegidos por uma máscara, o dever cívico cumprir-se-á num claro sinal de que não há obstáculos inultrapassáveis quando está em causa um propósito maior.

Hoje, os eleitores portugueses são chamados às urnas para definir o futuro das suas autarquias.

Do poder local ao qual cabe a primeira relação de proximidade com a população, com impacto imediato na sua qualidade de vida, no bairro, na cidade e nas rotinas das famílias.

Uma escolha importante e que carece de uma mobilização que não se tem visto nas últimas décadas. Em 2017, 45% dos eleitores não compareceram nas urnas. Em 2021 não se prevê que a abstenção esteja perto de acabar. Mesmo quando provámos, nos últimos dois anos, ter capacidade de união e mobilização no combate a uma pandemia, entendendo a importância de tomar uma decisão individual, consciente, com natural impacto social e no bem-estar dos outros.

E neste período difícil da nossa história, onde quebrámos laços e perdemos muitos dos nossos, parecemos não ter aprendido a lição por completo descurando outras obrigações. Há momentos que necessitam da nossa melhor versão. E a democracia é o melhor que existe entre nós. Acarinhemos. Hoje é dia de votar.
País política referendo liberdade religiosa partidos e movimentos
Ver comentários