Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Senado brasileiro convoca ex-mulher de Bolsonaro para explicar ligação a investigado por corrupção

Em causa estão negócios irregulares de compra de vacinas Covid-19.
Domingos Grilo Serrinha e correspondente no Brasil 16 de Setembro de 2021 às 02:20

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado brasileiro que investiga irregularidades do governo central no combate à pandemia de Coronavírus convocou esta quarta-feira uma das ex-mulheres do presidente Jair Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle, para explicar a sua ligação com um advogado investigado por corrupção em compra de vacinas. Com isso, a CPI, que já tem em Jair Bolsonaro um dos maiores alvos pelas omissões e boicotes intencionais no combate à pandemia, que no Brasil já vitimou quase 590 mil pessoas, chega ao núcleo mais restrito do chefe de Estado.

Ana Cristina, mãe de um dos filhos do presidente brasileiro, Jair Renan Bolsonaro, de 23 anos, foi convocada para dar explicações sobre a sua relação com o advogado Marconny Albernaz de Faria, investigado por participação em negócios irregulares de compra de vacinas e insumos contra a Covid-19. Em depoimento tenso esta quarta-feira à CPI no Senado, Marconny negou qualquer ligação à segunda ex-mulher de Bolsonaro, mas os senadores mostraram mensagens de whatsapp trocadas entre o advogado e Ana Cristina, e ele foi obrigado a retratar-se, depois de ser ameaçado de prisão por falso testemunho.

Após a confirmação da proximidade com a ex-mulher do presidente da República, Marconny negou que os negócios citados nas mensagens que a CPI conseguiu tivessem algo a ver com vacinas ou qualquer outra coisa relacionada ao combate à pandemia, mas recusou informar do que tratavam. Mensagens trocadas entre ambos mostram o advogado pedindo à ex-mulher de Bolsonaro para interceder junto ao presidente para nomear um conhecido para um cargo público.
Ver comentários