Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
5

Político é suspeito de querer matar o primeiro-ministro dos Países Baixos

Arnoud van Doorn, antigo militante da extrema-direita, foi detido e interrogado por mais de 30 horas após seguir Mark Rutte.
Ricardo Ramos 29 de Setembro de 2021 às 08:31
Polícia reforçou segurança de Rutte após ameaças recentes
Arnoud van Doorn foi libertado na segunda-feira
Polícia reforçou segurança de Rutte após ameaças recentes
Arnoud van Doorn foi libertado na segunda-feira
Polícia reforçou segurança de Rutte após ameaças recentes
Arnoud van Doorn foi libertado na segunda-feira
O controverso político holandês Arnoud van Doorn, antigo militante da extrema-direita, foi detido no fim de semana em Haia por suspeita de planear atentar contra a vida do primeiro-ministro, Mark Rutte. O advogado diz que se tratou de um exagero da polícia e garante que o seu cliente está inocente.
Van Doorn foi preso pela polícia por "comportamento suspeito" depois de, segundo as autoridades, ter seguido Rutte pelas ruas de Haia e ter estado perto dele num café e num ginásio. Chegou ainda a cruzar-se com a viatura do PM quando este regressou a casa.

Após ser detido, Van Doorn foi levado para a esquadra, onde passou a noite, tendo sido interrogado durante mais de 30 horas. Acabou por ser libertado na segunda-feira sem qualquer acusação. O advogado confirmou que o político foi detido por suspeita de planear matar Rutte e acusou a polícia de ter agido de forma "pouco razoável". "Foi tudo muito dramático", acusou.

O incidente só foi revelado esta terça-feira, um dia depois de a polícia ter anunciado que reforçou a segurança de Rutte por receio de que seja alvo de uma tentativa de assassinato ou sequestro de grupos criminosos organizados. As duas situações não estarão relacionadas.

Arnoud van Doorn é uma figura controversa da política holandesa. Antigo militante do Partido da Liberdade, de Geert Wilders (extrema-direita), saiu em 2011 para se converter ao Islão e formar o Partido da Unidade, pelo qual foi eleito vereador em Haia. Foi ainda condenado em tribunal por posse de arma ilegal, divulgação de documentos secretos e venda de droga a menores.
Ver comentários