Barra Cofina

Correio da Manhã

Domingo
8
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante faça LOGIN Assine Já

A companhia de teatro onde se estreou Eunice Muñoz

Casal Amélia Rey Colaço-Robles Monteiro modernizou a arte dramática portuguesa no séc. XX.
Fernando Madaíl 3 de Outubro de 2021 às 12:00
Conteúdo exclusivo para Assinantes Assine já Se já é assinante faça LOGIN
Exclusivos
Nos escombros do Teatro Nacional (em cima e em baixo à dtª); Eunice Muñoz (em baixo à esqª); Amélia Rey Colaço com Pedro Lemos
Nos escombros do Teatro Nacional (em cima e em baixo à dtª); Eunice Muñoz (em baixo à esqª); Amélia Rey Colaço com Pedro Lemos
Nos escombros do Teatro Nacional (em cima e em baixo à dtª); Eunice Muñoz (em baixo à esqª); Amélia Rey Colaço com Pedro Lemos
A mais duradoura companhia teatral da Europa, que foi fundada em 1921 e se manteve ativa até 1974, durante os seus 53 anos de existência alterou o panorama das artes cénicas em Portugal. “Não haveria sítio mais certo para começar do que a Companhia Rey Colaço e Robles Monteiro”, admite Eunice Muñoz, que ali se estreou em 1941, aos 13 anos de idade, num pequeno papel do espetáculo ‘Vendaval’, de Virgínia Vitorino – e que está, agora, a despedir-se dos palcos, com ‘A Margem do Tempo’ (baseado num texto de Franz Xaver Kroetz), em que contracena com a neta, Lídia Munõz.





Exclusivos

Assinatura Digital

Acesso à edição digital e a todos os conteúdos exclusivos do site no pc, tablet e smarphone
Assine já 1 mês/1€
Para ler este e todos os EXCLUSIVOS DE HOJE no site 1€ (IVA incluído)
UTILIZE O
Ver comentários
Hoje nas bancas
Capa do Dia
A primeira página do Correio da Manhã e o acesso ao e-paper Ver todas as
primeiras páginas